ENTREVISTA TRADUZIDA: Lily Collins fala sobre seu filme Okja: sua personagem, relação com membros do elenco e muito mais para W Magazine!

 

Entrevista de Lily para W Magazine!


 

Dez anos atrás, a atriz Lily Collins estava de férias em Cannes com sua família quando viu pela primeira vez o Grand Palais. “Lembro-me de ver os degraus e de pensar: ‘Um dia, talvez, isso seria incrível’. E agora, estou andando pelos degraus, de braços dados com minhas co-estrelas. É uma experiência louca, mágica!” Disse Collins, 28, fazendo uma pausa no Hotel Carlton, onde seu filme Okja estreou. É o mais novo filme do diretor coreano Bong Joo Hoo, e segue Mija (An Seo Hyun), uma menina na Coréia do Sul cujo melhor amigo Okja, é um porco gigantesco amigável. Mas quando uma má empresa de alimentos, liderada por Lucy Mirando (Tilda Swinton) e Dr. Johnny Wilcox (Jake Gyllenhall), leva Okja em cativeiro para experiências, Mija estabelece em uma missão de resgate com a ajuda de Red (Lily Collins) e Jay (Paul Dano). Collins, recém-saída do filme de Warren Beatty Rules Don’t Apply, não foi nem um pouco subjugada pela experiência em Cannes, mas ela admitiu que foi muito para se participar. “Estrear um filme aqui é surreal, eu nunca vi tantos fotógrafos em um espaço – a música, tudo, é tão estranho. É diferente de qualquer coisa que eu já experimentei.” 

Então este é seu primeiro Cannes!

“Sim, é tão divertido, mas são tantas coisas. Não há realmente um momento maçante. Mantém você se perguntando – como eu estou, o que eu vou fazer a seguir? O que mais posso fazer na minha agenda?”

Tilda Swinton ou Bong Joo Hoo deram-lhe algum conselho sobre o festival antes?

“Tilda disse que ia ser diferente de qualquer coisa que eu já tinha visto. Ela me disse para mergulhar em tudo. Eu estava conversando com Paul e Jake sobre o que acontece depois da estréia, quando tudo termina – há aplausos ou vaias, e tem uma câmera em você, e você está sentado no centro do cinema. Eles estavam me preparando para quando isso pudesse acontecer, então quando os créditos estavam terminando eu estava me preparando. É uma coisa tão estranha, de repente a câmera fotografa você para testemunhar a resposta do público. E eu apenas olhei para minhas co-estrelas, tipo “Isto é tão estranho!” É como uma tigela de peixe; Você está no meio do teatro. O diretor Bong já esteve no júri antes e Tilda, Jake [Gyllenhaal] e Paul também, então eles estavam me dando algumas dicas. Eu também tinha falado com algumas pessoas no festival, que eu sei que foram tão úteis em reafirmar o fato de que é uma coisa mental.”

É um turbilhão total! Diga-me como acabou ficando com o papel?

“Me enviaram o roteiro, e eu li, e só pensei que era o material mais bizarro, interessante e complexo que eu já tinha lido. Ouvi dizer que era sobre uma menina e seu porco, mas eu estava pensando: “Isso é a versão mais ampla do que se trata”. Há tantas conversas diferentes acontecendo no script, pensei que eu deveria pelo menos fazer uma filmagem. Coloquei-me na fita, e o diretor Bong adorou, e veio a Los Angeles e nós nos encontramos, e tivemos uma reunião às 11 horas; Ele pediu sorvete. Foi quando eu pensei ‘Eu realmente amo esse cara‘. Ele disse que amava sorvete. Nós tivemos grandes conversas sobre o personagem, e minhas ideias sobre ele, e eu deixei aquela reunião e foi algo como isso.”

Você conhecia Bong antes de assinar o projeto?

“Eu não o conhecia pessoalmente. Dois anos atrás, foi a primeira vez que eu me sentei com ele, fui para a Coréia para vê-lo, ele foi o homem mais divertido, amado, hilário e bondoso, ele é um gênio total. Não tem como você não se dar bem com o diretor Bong, ele é tão contagiante.”

Ele tinha alguma técnica de direção especial?

“Sim, ele faz uma versão de quadrinhos do script antes de irmos para o set. Ele fez storyboards para tudo, por isso, para cada filmagem do roteiro ele extrai o que ele imagina que seja, então ele realmente é apenas um cineasta nerd que ama fazer o que ele está fazendo, e ele é um gênio. Mas quando você o encontra ele é um ursinho gigante.”

Conte-me um pouco sobre sua personagem. Eu sei que você faz a “Red”, uma das cabeças do grupo Animal Liberation Fighters, que ajuda Mija salvar Okja…

“A ‘Red’ é a única garota na ALF, e representa a energia feminina no grupo. Ela é uma mulher jovem, irritada e apaixonada, que fica com os caras, mas ela é realmente a conexão emocional com a personagem de Mija, quando tentamos ajudar Mija a resgatar Okja, ela está nutrindo essa energia feminina. O quadro maior é a causa. Ela pode simpatizar com Mija como uma jovem mulher, mas também com Okja, um porco fêmea. Ao longo do filme, quando Okja está sendo atormentada, e há uma cena quando ela é levada para este laboratório, e está emparelhada com um porco macho para acasalar, você obtém tanta emoção de Red. Ela realmente simpatiza com Okja como uma mulher. Este filme não é apenas sobre um porco gigante, é sobre muito mais. Bong é um criador de personagens femininos; Ele adora escrever para mulheres. Suas personagens femininas são sempre muito complexas.”

Qual foi o melhor conselho que ele lhe deu no set?

“É diferente de qualquer coisa que eu já experimentei, realmente, porque ele sabe exatamente o que ele quer, então você vai para ele completamente confiante em sua visão e sabendo que ele vai ser capaz de capturá-la, e então você realmente confia em si mesma porque teve todas essas conversas de antemão sobre o que é que ele quer. Ele meio que te deixa fazer a sua coisa. E se você se afastar de algo que ele vê o personagem fazendo, ele vai trazer de volta, mas ele faz isso de uma forma divertida. Ele realmente criou um ambiente divertido e confiante, e quando se está interpretando um personagem tão diferente do que você já fez antes, ou é uma história sobre uma garota e um porco gigante, você quer ter certeza de que o cineasta está criando um nutrindo um ambiente e quer confiar onde você está e estar disposta a assumir riscos.”

Você pode se relacionar pessoalmente com o tema principal, que é o vínculo entre o homem e o animal?

“Sim! Eu tinha um cachorro chamado Billy. Eu o peguei quando me mudei para Los Angeles como um presente de aniversário da minha mãe e ele me ajudou quando eu tinha acabado de me mudar para cá. Era sempre “Billy e Lily”. Ele faleceu quando eu tinha cerca de 23. Okja é como um ser humano. Ela é a melhor amiga de Mija. Mija é tão jovem, ela tem 13. Mostrar uma forte e jovem personagem feminina em um filme é tão importante. Eu faço um monte de trabalhos de capacitação adolescente e eu falo em eventos onde há 15, 18 mil crianças que estão com fome de mudança. Então, ver essa menina que tem menos de 18 anos atuando é muito empoderante, e muito oportuno. Passamos muito tempo juntas. Ela amadureceu na frente de nossos próprios olhos. Ela falou inglês no início, mas por fim foi ótimo! Ela é sábia além de seus anos.”

O que vem a seguir para você?

” A Netflix comprou meu filme no Sundance, To the Bone; É sobre uma jovem mulher que sofre de anorexia. É o primeiro grande filme feito sobre distúrbios alimentares, o que eu acho que é tão importante, pois ainda é um tabu para se falar. Então ele sai em julho. E eu acabei de terminar a série The Last Tycoon para a Amazon, que está sendo lançada este verão também.”


Confira as imagens de Lily feitas para revista, em nossa galeria, clicando nas miniaturas abaixo:

Entrevista traduzida e adaptada pela equipe do LCBR, se retirar algo por favor dê os devidos créditos.

postado por: Laura